Cuestionario Proust: Ramiro Torres

 Ramiro Torres

1.– Principal trazo do seu carácter?
– A perseverância dialogante.
2.– Que calidade aprecia máis nas persoas?
– A humildade e a cercania.
3.– Que agarda das súas amizades?
– Mui pouco, acho que dessa maneira desfruto mais do que me oferecem.
4.– A súa principal eiva?
– Certa tendência à desordem se estou em várias situações simultaneamente, resolvo melhor as cousas uma por uma.
5.– A súa ocupación favorita?
– A leitura, a escrita, as amizades.
6.– O seu ideal de felicidade?
– Estar sempre atento e aberto ao que já temos aqui, à nossa volta.
7.– Cal sería a súa maior desgraza?
– A desaparição de seres queridos.
8.– Que lle gustaría ser?
– Um buscador permanente da luz, onde quer que esteja.
9.– En que país desexaría vivir?
– Acho que devo fazer o possível porque o país onde esteja fosse no que mais gostaria de estar, e melhor estivessem os meus congêneres.
10.– A súa cor favorita?
– O azul.
11. – A flor que máis lle gusta?
– A rosa (e se é invisível, ainda melhor).
12.– O paxaro que prefire?
– O merlo branco, e de não se encontrar, uma pomba.
13.– A súa devoción na prosa?
– Cortázar, Cunqueiro.
14.– E na poesía?
– Herberto Hélder, Rumi.
15.– Un libro?
Poesia toda, de Herberto Hélder.
16.– Un heroe de ficción?
– Orfeo.
17.– Unha heroína?
– María Soliña, por exemplo.
18.– A súa música favorita?
– Berrogüetto, Mozart, entre muitas outras.
19.– Na pintura?
– Magritte, Lugrís, Granell, O Bosco, entre muit@s outr@s.
20.– Un heroe ou heroína na vida real?
– Gandhi, José Luis Sampedro, Hipátia de Alexandria, Doris Lessing, etc.
21.– O seu nome favorito?
– Alba.
22.– Que hábito alleo non soporta?
– A prepotência e a mentira.
23.– O que máis odia?
– Remito-me à anterior resposta, ainda que quiçá odeie mais deixar-me levar por esse ódio, e perder tempo valioso da minha vida.
24.– A figura histórica que máis despreza?
– Há demasiadas que me parecem completamente inúteis, tanto na história como no presente. Quem ordenou directa ou indirectamente matar a mais gente leva as de ganhar neste assunto (Hitler, talvez).
25.– Un feito militar que admire?
– A Revolução dos Cravos.
26.– Que don natural lle gustaría ter?
– A capacidade de desligar da realidade circundante e trabalhar intensamente desde o meu coração. Atrevo-me a dizer que esse é um dom natural, e que grande parte da realização do ser humano é converter isso em algo habitual, quase imperceptível, como a respiração, por exemplo. Nisso ando, na medida em que não deixo que os condicionamentos sejam maiores do que realmente lhes corresponde (ou deve corresponder-lhes).
27. – De que maneira lle gustaría morrer?
– Sem dor e sereno. A morte é parte da minha condição humana, e semelha-me mais importante não deixar nada pendente com ninguém que o feito de adiar algo que é consubstancial a esta forma (bem curiosa, todo seja dito) de existência.
28.– Cal é o seu estado de ánimo máis habitual?
– Acho que entre enviso e bem-humorado.
29.– Que defectos lle inspiran máis indulxencia?
– Os despistes ou qualquer cousa feita por amor.
30.– Un lema na súa vida?
– Poesia, Amor e Liberdade!!!

2 Comments

Os comentarios están pechados.